+55 (51) 3228-1661 Ouvidoria: 0800 6431661
22/09/2101

Regulação é o principal desafio para o avanço do mercado de seguros

10/11/2017

Urbim, uma vida dedicada ao Mercado Segurador

30/10/2017

Eventos marcam os 500 anos da Reforma Luterana em Porto Alegre e Santa Rosa

30/10/2017

Troféu JRS - 15 anos

19/10/2017

Dia Mundial de Combate ao Câncer de Mama

02/10/2017

Destaques do Mercado de Seguros de Vida e Previdência

22/09/2017

Susep vai regulamentar seguro funeral

22/09/2017

Especialista em educação financeira dá dicas para quem deseja se aposentar

22/09/2017

Governo quer clareza de informações na era digital

22/09/2017

Blockchain: ameaça ou oportunidade no mercado de seguros?

21/09/2017

Setor de seguros supera R$ 1 tri e pode trazer novo ciclo, afirma presidente da CNseg

19/09/2017

José Cairoli, governador do RS em exercício, prestigia ação do Grupo Aspecir, no Acampamento Farroupilha

11/09/2017

Produção de seguros sobe 0,6% até junho em termos homólogos - ASF

04/09/2017

Troca de previdência privada ganha força com reforma na aposentadoria

29/08/2017

O mercado está pronto para absorver seguros?

29/08/2017

Sincor-SP ressalta importância dos seguros de vida e previdência para população e o mercado

29/08/2017

Pansera: Corretor, chegou a hora do recadastramento

29/08/2017

Brasília: um mercado de oportunidades para o ramo de seguros

26/07/2017

Mudanças no mercado alteram rotina dos corretores de seguros

26/07/2017

Governo prepara PDV e tudo para você ler antes de a Bolsa abrir

26/07/2017

Governo prepara PDV e tudo para você ler antes de a Bolsa abrir

Índice de Confiança do Setor de Seguros tem alta de 62,2% no ano


06/09/2016

Resultado reforça o otimismo do empresariado em relação ao cenário econômico e ao ambiente de negócios do Brasil

O Índice de Confiança do Setor de Seguros (ICSS) – um dos principais termômetros do mercado – fechou os primeiros oito meses do ano com alta acumulada de 62,2%. Em agosto, o índice marcou 108,8 pontos, o que não acontecia desde 2014. Foi o sétimo mês de alta consecutiva, segundo levantamento da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor). O resultado reforça o otimismo do empresariado em relação ao cenário econômico e ao ambiente de negócios do Brasil.
“O ICSS de agosto confirma a expectativa de recuperação da economia, apesar da crise prolongada. Os próprios dados da Susep relativos ao primeiro semestre do ano são bons. Com arrecadação total de R$ 113,9 bilhões, o mercado de seguros caminha para a retomada do crescimento. Outros indicadores seguem essa tendência, como o Índice de Confiança de Serviços (ICS), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que teve sua sexta alta no ano”, destaca o presidente da Fenacor, Armando Vergilio.
Os resultados do ICSS são calculados a partir de pesquisa realizada pela Fenacor com 100 grandes empresas do setor, que indicam percentuais de 0 a 200 para a confiança na economia, rentabilidade e faturamento. Também foram apurados outros três indicadores: ICSS (de confiança do setor de seguros no Brasil), ICER (Índice de Confiança e Expectativas das Resseguradoras) e ICGC (Índice de Confiança das Grandes Corretoras).
A pesquisa da Fenacor também apura a expectativa das empresas em relação ao crescimento da economia pelos próximos seis meses. Todos os três segmentos do mercado (seguradoras, corretoras e resseguradoras) registraram alta dos seus índices de confiança: 90%, 92% e 83%, respectivamente.
Quanto ao faturamento, 88% das corretoras; 80% das seguradoras e 92% das resseguradoras esperam um cenário mais favorável nos próximos seis meses. Na análise da rentabilidade, o otimismo segue em alta: 80% das corretoras; 75% das seguradoras e 75% das resseguradoras confiam na manutenção ou melhora dos índices atuais.
O setor de seguros é responsável por 6% do Produto Interno Bruto (PIB). É uma indústria que emprega mais de 40 mil pessoas, abriga cerca de 90 mil corretores e reúne 112 companhias seguradoras em todo o país. Em 2015, movimentou R$ 350 bilhões em volume de prêmios (considerando resseguros e a saúde suplementar), crescendo 11,6%, o que mostra sua força na economia nacional.

Fonte: Lupa Comunicação
logotipo zepol